Arquivo do mês: fevereiro 2013

Incrível humanidade

Coube ao poeta cubano Nicolás Guillén (1902-1989) conceber um belíssimo poema destinado ao infeliz soldado boliviano responsável por executar Che Guevara, intitulado “Guitarra en duelo mayor“, cantado com maestria por Angel Parra e Pablo Ibañez, cada qual à sua original maneira. A estreiteza de visão do então jovem soldadito boliviano, Sr. Mário Terán o levou a atirar em alguém que lutou tanto para melhorar a vida de gente pobre como ele: em 1967, Terán atirou num Che rendido, dando fim à sua mortalidade. Incrível humanidade, fantástico realismo latino-americano: quarenta anos depois, o já idoso Sr. Terán, acometido de catarata nos olhos, foi curado gratuitamente por médicos cubanos, missionários da Operación Milagro, em um hospital doado por Cuba e inaugurado por Evo Morales em Santa Cruz de la Siera, Bolivia. O filho de Terán pediu ao jornal boliviano “El Deber” que publicasse uma nota de agradecimento aos cubanos que devolveram a visão ao seu velho pai, numa ação qualificada por ele como “um verdadeiro milagre”. Vários jornais do mundo reportaram o fato, como a BBC ou o The Guardian,  mas coube ao jornal cubano Granma a melhor cobertura do ocorrido: “Quatro décadas depois que Mario Terán tentara, com seu crime, destruir um sonho e uma ideia, o Che volta a vencer outra batalha, e segue em campanha”.

Velho Trapichehttps://velhotrapiche.wordpress.com/2013/02/07/457/

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized